clike para ver mais
clike para ver mais
clike para ver mais
clike para ver mais
clike para ver mais

clike para ver mais

Protocolo Manchester de cores é implantado pelo Hospital São Sebastião em 2012 é exigência do Estado

Desde o ano passado o Hospital São Sebastião tem funcionado com o sistema “Protocolo de Manchester”, ou “protocolo de cores”, o que tem gerado polêmica por parte dos usuários do hospital, que muitas vezes por falta de informação, questionam a eficiência do sistema.

 

Na prática, a implantação do Protocolo de Manchester é uma exigência da Secretaria Estadual de Saúde, que condiciona um repasse mensal de cerca de

R$40.000,00 ao funcionamento do sistema. Caso o Hospital abandone o protocolo, poderá perder a verba.

Funcionamento

O protocolo é um método de abordagem dos pacientes que recorrem ao serviço de saúde. Com ele, o paciente, assim que chegar ao Hospital será encaminhado a uma sala de triagem onde um enfermeiro ouvirá sua queixa inicial. Em seguida, este profissional definirá qual a sua gravidade clínica e a qual especialidade ele deverá ser encaminhado.

 

Para realizar esta avaliação, o profissional deverá seguir os procedimentos indicados no protocolo. Estes procedimentos são linhas guias que permitem estabelecer qual o tempo de espera máximo de um paciente, de acordo com o seu quadro clinico. Este tempo varia com a gravidade da queixa relatada.

 

A cor vermelha significa emergência e tem atendimento imediato; a laranja indica casos muito urgentes e prevê atendimento em 10 minutos; o amarelo significa urgente e prevê que paciente pode esperar por no máximo 1 hora o atendimento médico; já o verde e o azul são considerados casos de pouca urgência e prevê 2 horas e 4 horas de espera, respectivamente.

 

protocolo
 

O protocolo está sendo implantado em todas as Unidades Básicas de Saúde de Minas Gerais. Para o secretário Estadual de saúde do estado, Antônio Jorge, “este é um caminho sem volta.” O secretário explicou que a intenção é tornar o protocolo a linguagem de todo o sistema de saúde mineiro.

 

“O protocolo facilitará a estruturação da rede e o encaminhamento do usuário. A nossa meta é que todo o atendimento realizado seja baseado na necessidade real do usuário, e não mais na

ordem de chegada”, disse.