clike para ver mais
clike para ver mais
clike para ver mais
clike para ver mais
clike para ver mais

clike para ver mais

Justiça determina bloqueio de bens de prefeito de Perdões, MG

Fernando Siqueira (PP) é acusado de envolvimento em fraude de concurso. Empresa que aplicou exame também deve ter os bens bloqueados.

O juiz Mário Paulo de Moura determinou o bloqueio dos bens do atual prefeito de Perdões, Fernando Jaques Rezende de Siqueira (PP). A informação foi confirmada nesta sexta-feira (25) pelo fórum da cidade. Siqueira é investigado, junto com outras 25 pessoas, por supostas irregularidades no concurso público realizado pela prefeitura da cidade em janeiro deste ano.

A empresa que venceu a licitação para aplicar as provas, “Reis e Reis”, também deve ter os bens bloqueados, de acordo com a mesma determinação. Procurados, nem o prefeito nem representantes da empresa foram encontrados para falar sobre a nova fase do processo.

As investigações começaram em fevereiro deste ano, depois que o Ministério Público recebeu uma gravação em que era revelado um esquema de fraude do concurso realizado em 10 de janeiro. O objetivo seria favorecer familiares e amigos do prefeito.

De acordo com o MP, o áudio registrava a conversa entre um funcionário da prefeitura, que pediu demissão do cargo logo que a denúncia veio a público, e o secretário de Assistência Social Renan Siqueira, que também é filho do prefeito e pediu exoneração de suas funções.

À época da denúncia, a empresa “Reis e Reis” disse que desconhecia os áudios e que todo processo de licitação foi feito dentro do que é exigido e devidamente fiscalizado pelo Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais (TCE-MG).

Mais de 3 mil pessoas concorreram ao exame e o secretário, além de cinco parentes de Fernando Siqueira e amigos, estavam entre os quase 300 aprovados. Na ação que tramita no fórum municipal, o juiz Mário Paulo de Moura aponta que 21 pessoas foram beneficiadas pelo esquema.

Em abril, uma comissão processante foi criada na Câmara de Vereadores de Perdões para acompanhar o caso. No entanto, o pedido de cassação de Fernando Siqueira foi arquivado em agosto.

camaraperdoes