clike para ver mais
clike para ver mais
clike para ver mais
clike para ver mais
clike para ver mais

clike para ver mais

Governo de Minas anuncia novas rotas de voos para o interior

Doze municípios de Minas contarão, a partir de agosto, com voos diretos para o aeroporto da Pampulha, em aeronaves de baixo custo fretadas para transporte de passageiros e cargas

A partir da segunda quinzena de agosto, 12 municípios de Minas Gerais terão voos diretos para Belo Horizonte. O Projeto de Integração Regional de Minas Gerais Modal Aéreo (Pirma) do governo do estado escolheu Curvelo, Diamantina, Divinópolis, Juiz de Fora, Muriaé, Patos de Minas, Ponte Nova, São João del-Rei, Teófilo Otoni, Ubá, Varginha e Viçosa para integrar a primeira fase da iniciativa. Ao todo, serão 60 voos semanais dessas cidades até o aeroporto da Pampulha, na capital.

O governo de Minas vai assumir o custo operacional da operação para viabilizar a medida. De acordo com a Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig), que, com a Secretaria de Transportes e Obras Públicas (Setop), é responsável pela implementação do projeto, uma pesquisa de mercado verificou a aceitação do emprego de aviões monomotores de baixo custo operacional – Cessna Grand Caravan 208 B – para ofertar o serviço de transporte de passageiros e de carga. Foram ouvidas 2.100 pessoas em 31 municípios.

A escolha das cidades foi feita seguindo o critério de municípios que apresentavam demanda, mas que não tinham rotas operadas pela aviação regular. Outro requisito observado foi a capacidade financeira da população em função do valor das tarifas. As passagens serão vendidas via site (www.voeminasgerais.com.br) e por aplicativos para tablets e smartphones. Cada voo cobrirá em média 200km e custará em R$ 300 por passageiro, em média.

Juiz de Fora, na Zona da Mata, é a cidade que terá o maior número de voos semanais. Serão 11 partidas sentido BH e o mesmo número de chegadas de voos da capital por semana. Divinópolis, São João del-Rei e Curvelo também terão voos todos os dias. Diamantina terá três voos semanais, enquanto Ponte Nova, Ubá e Muriaé terão apenas dois. A operação ocorre somente em dias úteis para todas as cidades.

Segundo o presidente da Codemig, Marco Antônio Castello Branco, a ideia não é criar um modelo de competição com a aviação comercial tradicional, mas “complementá-la”. “Nosso objetivo não é competir com a aviação comercial tradicional, mas criar um modelo sólido e viável para complementá-la, usando empresas privadas e a infraestrutura aeroportuária já instalada”, diz. Já o secretário de Transportes e Obras Públicas, Murilo Valadares, considera que o investimento, associado a ações nos aeroportos regionais, serve para reestruturar a rede de aviação regional. “A alavancagem de investimentos em infraestrutura é fundamental para que Minas Gerais volte a crescer, fixando empresas e mão de obra qualificada”, afirmou Valadares.

A empresa que vai operar os voos é a Two Táxi Aéreo Ltda. vencedora da licitação no modelo de ata de registro de preços, em que são descritos todos os gastos, que são ressarcidos pelo contratante, no caso, o governo de Minas. A empresa opera desde 2001 aviões Cessna Grand Caravan. Cada aeronave que vai operar o trecho tem capacidade para até nove pessoas, conforme regulamentação da Agência Nacional de Aviação (Anac). Se o projeto conseguir se viabilizar, a expectativa é de que, em breve, outras cidades sejam incluídas no projeto. O governo não informou o prazo de avaliação para definição da entrada de novos municípios no projeto, nem o investimento feito pelo estado.

20160720074001702411o

Fonte – em.com.br